quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

(32) CONTRA A DECEPÇÃO, FILOSOFIA CHINESA NELES!

Lin Yuntang, famoso filósofo chinês que escreveu um livro intitulado “A Importância de Viver”, comparando o modo de vida dos ocidentais e orientais, diz uma frase que nunca mais saiu da minha cabeça desde que eu li esse livro pela primeira vez em 2004. Ele fala assim;
“Sabe o porquê que os orientais nunca se decepcionam?
Porque, simplesmente, não alimentam expectativas em torno de nada e, principalmente, de ninguém.”
Hoje, particularmente, comecei a reler esse livro, porque cada frase encerra muita sabedoria e estou precisando rever alguns conceitos, depois de ver a tempestade ontem e não ter muitas expectativas para o amanhã.
Talvez se tivesse me lembrado de nunca me esquecer dessa frase todos os dias eu não estivesse me sentindo meio oco por dentro, desguarnecido e, confesso, desmotivado, desesperançado....Decepcionado...
Após meditar um pouco mais nessa verdade que encerra e, se levado a cabo, nos poupa de tantas desolações, levei outra bordoada na cara:
“Um idealismo vago, não crítico, se presta sempre ao ridículo, e o seu excesso pode ser perigoso a humanidade, por arrastá-la com promessas vãs de ideais imaginários...”
Não achem que estou pirando, mas quantas vezes criticamos os nossos ideais ou as pessoas as quais temos uma referência? Quase nunca porque são nossos, olha o nosso primeiro erro aí!
E ele continua para um semi-alívio deste pobre ocidental:
“Felizmente, o homem está também dotado do sentido do humor, cuja função é exercer a crítica dos sonhos e pô-los em contato com o mundo da realidade”.
“É necessário que o homem sonhe, mas é igualmente necessário que ele possa rir de seus próprios sonhos. Este é um grande dom e os chineses o possuem em abundância”.
Será que é por isso que sempre os vimos sorrindo?
É um grande dom mesmo, acho que vou tentar desenvolvê-lo, para nós ocidentais isso é muito difícil.
Isso tem a ver em o humor não deixar o idealista desiludido ir com a cara na muralha de pedra da realidade, alivia a tensão do caloroso entusiasta e o faz viver melhor e mais tempo.
O humor, ao nos preparar para a desilusão, faz com que haja menos dor no impasse final, como um médico encarregado de dar más notícias a um enfermo agonizante.
Queria dividir com vocês a fórmula que ele chegou, vejam só que legal:
Realidade – Sonho = Um ser animal
Realidade + Sonho = Um anseio de coração (vulgarmente chamado de idealismo)
Realidade + humor = Realismo (também chamado conservantismo)
Sonho – Humor = Fanatismo
Sonho + Humor = Fantasia
Realidade + Sonho + Humor = Sabedoria

Assim, a sabedoria, ou o mais alto tipo de pensamento, consiste em atenuar nosso sonho ou idealismo com um bom sentido do humor, apoiado na própria realidade. Pirante? Que nada, leia de novo para você perceber.
Temos de ter uma curiosidade e um gênio natural para explorar o conhecimento.
Temos de ter sonhos e um elevado idealismo, porém, temos que corrigir nossos sonhos pelo senso de humor e restringir nosso idealismo, por um idealismo mais robusto e mais sadio, sem reagir mecânica e uniformemente frente ao que nos cerca, mas sim, determinando e modificando nossas reações frente aos acontecimentos.
A personalidade humana não pode ser reduzida às leis mecânicas, de qualquer forma pode ser enganosa e imprevisível, curiosa, sonhadora inconseqüente, caprichosa e vaidosa criatura.
Acho que esta postagem, para muitos não fará muito sentido, também, nem sempre as coisas fazem sentido a primeira vista, porém, para compreender melhor, tente se lembrar de uma grande ou não tão grande decepção e entederá melhor o que digo aqui através da filosofia chinesa de Lin Yutang.
E se amanhã, você se entristecer com algo, lembre-se dos sorridentes chineses e, para facilitar um pouco, da velha filosofia brasileira mesmo:
Nada melhor que um dia após o outro com uma noite no meio e, por falar nisso, são 3:40 da manhã e vou me jogar, porque já me desabafei e me localizei.

Abraços e tchau... Pardal... Fui!

4 comentários:

Pedro Moreno disse...

Realmente eu pirrei na primeira leitura, depois resolvi seguir seu conselho e reli lembrando da minha grande decepção, daí ficou muito claro pra mim.
Agora querido amigo, me desculpe a curiosidade, mas o que fizeram que você foi resgastar nas profundidades essa postagem maravilhosa?
Sei como você trabalha, pensa e atua e, para escrever uma postagem como essa, sei que sua decepção foi muito grande. Se precisar de um amigo psicólogo ( apesar de você ser o melhor auto didata em psicologia que eu conheço) você sabe bem onde me encontrar.
Abração e novamente parabéns, você se superou novamente, mesmo meio aborrecido.

Mari Antunes disse...

Puxa Mafu!
Era tudo que eu precisava ler,ouvir.
Ultimamente não ando bem,vivo em total conflito com meu eu.
Porque disso,porque daquilo...
É assim que me encontro,ontem mesmo foi o dia que chorei muito.
Então hoje quando fui ler seu comentario: fiquei surpresa.
Senti um alivio na mente e na alma.
Nem sei o que dizer porque sei que isto é um desabafo seu.
Mesmo assim obrigado.

Um beijo e um grande abraço

da sua amiga distante.

Mari Antunes

Sérgio da Cecap Alta disse...

A vida com seus altos e baixos, mas você que além de enfermeiro e verador é um psicológo nato e um artita comediante, faça como sempre fez, cuida do seu e dos seus.
O que não tem remédio remediado está.

Maria Luiza disse...

Realmente o humor funciona para a decepção, estou meio baixo astral com algo que aconteceu e realmente segui seu conselho; aluguei 3 filmes de comédia e no final falei aquela palavrinha que não posso escrever aqui meu --, e melhorei muito rsrsrsrs.
Obrigado meu amigo, o enfermeiro mais psicólogo e filósofo que já conheci e muito obrigado.