domingo, 17 de abril de 2011

(103)...PELAS PESSOAS QUE JÁ TRABALHARAM TANTO! Vereador Mafu apresenta projeto de lei que estabelece o agendamento de consultas médicas por telefone para idosos e pessoas com deficiência.

Artigo publicado na coluna do Vereador Mafu no jornal Guaypacaré edição de 09 de abril de 2011

Envelhecer é um processo natural, gradativo e contínuo, que começa no nascimento e se prolonga por todas as fases da vida. Não há um momento que defina uma pessoa como idosa, mas devido deixar a força de trabalho aos 65 anos, esta idade é associada como marco dessa fase da vida, embora, devido as questões previdenciárias, estar sendo revista e rediscutida em alguns países, inclusive no Brasil.
À medida em que envelhecemos, nosso corpo sofre alterações notáveis. Frequentemente, os primeiros sinais de envelhecimento envolvem o sistema músculo/esqueleto. O desempenho físico começa a declinar por volta dos 35 anos, mesmo entre os atletas (por isso o jogador de futebol profissional sai de cena próximo a essa idade). Os órgãos do sentido também manifestam sinais prematuros de declínio, como a presbiopia, em que os olhos não conseguem focar objetos a curta distância. É comum a necessidade de óculos bifocais já a partir dos 40 anos.
A maioria das pessoas sofre um aumento de cerca de 30% na proporção de gordura corporal na meia idade. A distribuição da gordura também sofre alterações - menos gordura sob a pele e mais na região abdominal. Isso faz com que a pele se torne mais fina, enrugada e frágil e provoca mudanças no formato do corpo.
A maioria das funções internas também declina com a idade. Ainda assim, a maioria delas permanece em um nível adequado por toda a vida, já que a maioria dos órgãos tem uma capacidade funcional bem superior às necessidades do corpo. São as doenças, mais que o envelhecimento normal, que provocam a perda da função dos órgãos na velhice, como a capacidade renal de eliminar certas drogas, por exemplo.
Muitas pessoas envelhecem de forma saudável, porém, o avançar da idade pode trazer outras consequências indesejadas, como a doença de Alzheimer, que já publiquei por duas vezes nesta coluna devido a sua grande incidência na atualidade, as complicações das quedas em idosos e a gradativa limitação dos movimentos, que os tornam dependentes ou semi-dependentes do auxílio de outras pessoas.
Observando com muito incômodo e inquietação as dificuldades que alguns idosos tem para se locomover (alguns com bengala), ou a preocupação dos cuidadores em deixá-los sós para agendar consulta na Unidade Básica de Saúde no Bairro da Cruz, me questionei sobre o assunto e decidi tentar mudar isso. Assim, apresentei na Câmara Municipal o projeto de Lei nº 30 de 2011 estabelecendo o agendamento de consultas por telefone para as pessoas com 60 anos ou mais e deficientes físicos (por motivos óbvios), já cadastrados na Unidade de Saúde.
Todas as unidades de saúde da cidade de Lorena são informatizadas e tem o cadastro dos pacientes que são atendidos em cada uma, assim, o projeto não causará nenhum gasto adicional para os nossos cofres públicos, precisando apenas passar em segunda discussão na câmara e sanção do prefeito Dr Paulo Neme, para que vire lei e se torne um grande benefício para os nossos idosos e deficientes físicos que irão até as unidades apenas para serem consultadas, trazendo mais comodidade e evitando um cansaço desnecessário, caminhando na direção efetiva para a humanização preconizada pelo SUS.
Com a informatização, também será possível, muito em breve, agendarmos as consultas de especialidades médicas e exames, sem que o paciente precise se deslocar até os ambulatórios de especialidades (Centro de Saúde e antigo INAMPS), pois com as Unidades de Saúde do Município conectadas em rede, um paciente que, por exemplo, seja atendido no Parque das Rodovias e precise de oftalmologista, a própria unidade poderá agendar lá mesmo, só informando ao paciente a data e horário da consulta.
Várias cidades no nosso Vale do Paraíba já trabalham nesse sistema como Guaratinguetá, por exemplo. O investimento não é tão elevado e a satisfação da população é elevadíssima, pois economiza tempo e dinheiro dos munícipes e dá a cidade um ar de estar, de fato, na idade contemporânea.
Espero com esse projeto de agendamento de consultas para idosos e deficientes físicos facilitar e muito a vida desse segmento da nossa população e espero também que esse seja o primeiro passo no caminho para eliminarmos as filas pelas consultas médicas, tão sonhadas na cidade de Lorena, estendendo esse benefício, em breve, para todas as pessoas de todas as idades.

E o combate a Dengue não pode parar: críticas, sugestões e denúncias:
comissaodenguelorena@hotmail.com

2 comentários:

Thiago da capela disse...

Pelo menos um projeto de lei sensato nessa camara. o povo não aguenta mais o bla bla bla. será que a cidade vai afundar? Torcemos para o prefeito sancionar e fazer valer essa lei.

Rosa Maria Paulino disse...

O post acima é uma reprodução parcial do artigo Entenda o Processo de Envelhecimento publicado em meu site www.futurosobmedida.com.br em 10.04.2008. A reprodução é permitida mas peço a gentileza de atribuir a autoria a Rosa Maria Paulino e incluir um link para o meu site.